29.11.10

Mangá: Morreu? Adormeceu? Ou Infantilizou?


Tem um tempo, talvez eu até esteja com minhas suspeitas, mas... A febre de mangá diminuiu ou morreu mesmo?
Não sei se é por que parei de ir em eventos ou de receber notícias a respeito, mas parece que não vejo tanto otaku xiita perambulando de bandana amarrada no corpo, mochilas pesando toneladas pelo excesso cavalar de chaveiros e bottons... No máximo, tenho visto discretas camisetas de animes e olhe lá com muito custo.
Só sei que otaku ainda existe por que ainda dou aulas de mangá, e tem sempre um ou outro que admite seu secreto amor ou admiração pela arte em si.
Mas ainda assim, eu ainda me questiono: mangá tem volta fervorosa ou vai virar mais uma opção de entretenimento infantil, como vem acontecendo ultimamente?
Não, você não leu errado; isso realmente tá acontecendo. Naruto e Cavaleiros do Zodíaco tá sendo adaptado pra canais abertos; legal, é uma opção viável pra quem não tem tv a cabo, mas o problema é mais embaixo:  tá sendo tratado como desenho infantil; onde crianças que mal sabem o que é fazer xixi no banheiro sem supervisão adulta estão assistindo e achando lindo; fora a avalanche de brinquedos e coisinhas que só o mercado consegue importar e vender pra lucrar em cima dos "vermes incontroláveis" que toda criança tem por coisa colorida. Brasileiro tem um problema grave com discernimento do que realmente é pra criança e o que não é. Sem mencionar a falta de senso com relação à novelas, pois sei de um monte de criança que assiste com a família de boa...
Eu assisto a certas novelas, e gosto do enredo que elas possuem, mas também sei que a falta de pudor na maioria delas fere descaradamente a conduta censorista que esse país tanto defende quando chega anime licenciado por aqui.
Se um anime tem sangue a rodo e lutas tensas? Tesoura e pinta o sangue de verde! Se uma novela tem cena implícita de sexo? Ah, faz parte da história... Se um anime tem cena com porte de armas? Opa, repõe isso com martelinho de plástico e bananas! Se uma novela tá que é só crise de loucura e violencia? Ah, mas isso é justificável...
Sinceramente, não compreendo. E isso só piora quando chega carnaval. Nem preciso comentar sobre o festival de nudez rebolativa e felicidade exacerbada pra esconder a competitividade(Acho divertido assistir a apuração... Parece campeonato de futebol!), e pra explicar pra uma criança que aquilo é nada demais, é só uma festa; sim é difícil até pro mais esclarecido dos psiquiatras(criança tem uma virtude que nos desconcerta; a inocente sinceridade e o excesso de perguntas curiosas). E ae, vem a réplica poeirenta: "mas eu não deixo meu filho ver novela, filme violento, nem deixo ele ficar acordado pra ver caranaval..." Ah vá, me respeita!!! E quem disse que criança precisa de aval de pai e mãe pra ver besteira? São de contar nos dedos as crianças que respeitam cegamente o que os pais impõem, mesmo sendo flexíveis nas regras. O que não consegue em casa, a rua fornece de graça, assim dizia o velho deitado.
Portanto, acho um besteirol condenar e infantilizar animes em prol de comércio (brinquedinhos e tralhas o genero) e pela classificação de "desenho animado", só pra saciar a gana pelo "do que é do mais velho" dessa criançada e a satisfação dos pais em ver os filhos enterrados na frente da tv enquanto eles se acham que assim se sentem absolvidos da responsabilidade de dar-lhes a devida educação.
Acho mais correto licenciar animes direcionados à devida faixa etária dos telespectadores ou criar um canal decente (Animax não vale como referencia!!!! Eu renego!!!!), com horários apropriados pra cada idade.

Aaaaaahhh; saudades da Locomotion e do Adult Swim...

Um comentário:

Lorine Pimenta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.